No âmbito de uma palestra em Punta Cana durante o evento LACNIC 31, Carmen Denis (México), Nathalia Sautchuk (Brasil), Paola Pérez (Venezuela) e Erika Vega (Colômbia) iniciaram o projeto do Centro de Mulheres em Tecnologia Mx (CMTMx).

Com o objetivo de favorecer uma maior presença feminina no mundo das Tecnologias da Informação – especialmente na região e seus países -, este projeto promove o desenvolvimento de mulheres jovens em todas as áreas relacionadas à Internet.

A iniciativa acaba de ganhar um subsídio do Programa FRIDA do LACNIC para expandir o escopo do projeto para mais mulheres.

Em entrevista com a LACNIC News, Carmen Denis – uma das fundadoras do projeto – conta alguns detalhes da iniciativa.

Como surgiu a ideia de criar o Centro de Mulheres em Tecnologia (CMTMx) e o que foi que motivou vocês a levar adiante essa iniciativa? 

Após uma conversa, identificamos a necessidade que há em cada um dos nossos países, e no nível da região, sobre a participação de mulheres em questões da Internet. Escolhemos o México como uma área de oportunidades para começar, especificamente na cidade de Mérida, Yucatán, onde o projeto para o Desenvolvimento da Internet – IXP Yucatán foi realizado.

O projeto, em sua fase inicial, estará focado em treinar mulheres estudantes universitárias e fornecer orientação exclusiva e especializada para incluí-las na implementação da Infraestrutura da Internet, bem como as ferramentas necessárias para o desenvolvimento profissional de cada uma.

Conta com a colaboração da Associação Nacional de Universidades e Instituições de Ensino Superior (ANUIES) e do Ministério da Inovação, Pesquisa e Instituições de Ensino Superior do Governo do Estado de Yucatán.

Acreditamos firmemente que “a educação é o pilar da sociedade” e, ao ajudar as pessoas a se desenvolverem, a comunidade é enriquecida. 

Quais são os eixos de ação principais do projeto?

O Centro de Mulheres em Tecnologia Mx surge com uma visão clara e sustentável, em que mulheres e meninas de Yucatan não apenas podem criar, acessar e usar as TICs de maneira eficaz para aprender, mas também podem desenvolver o espírito empreendedor, desenvolver atividades na área profissional e devolver essa oportunidade para outras gerações.

O projeto tem dois eixos de ação principais. O primeiro é a formação de talento para o desenvolvimento da Internet. Consiste em formar um grupo de 10 mulheres estudantes no período universitário das áreas das TIC das universidades de Mérida que durante 6 meses serão treinadas para o desenvolvimento de habilidades digitais dos recursos da Internet, gerenciamento de redes, segurança, IPv6, roteamento básico e avançado. As jovens bolsistas irão contribuir e participar da implementação da infraestrutura da Internet nas unidades que serão interconectadas ao nó IXP do Estado de Yucatán.

As jovens de mais destaque participarão do evento LACNIC On the Move ou LACNIC 33, para que possam se envolver com a comunidade.

O segundo eixo do projeto é a experiência Bootcamp CMTMx. Inclui uma semana com diferentes atividades e oficinas para 15 meninas e adolescentes, em que será promovido o desenvolvimento de aplicativos móveis, a arquitetura de computadores, robótica e redes. Será procurada a colaboração de parceiros (setor privado, sociedade civil e comunidade técnica mencionados no aplicativo) e das redes acadêmicas (CUDI e Rede CLARA).

Por que vocês acreditam que o chamado mundo das TICs tem sido, até agora, dominado pela presença de homens?

Ficamos surpresos com o fato de o número de mulheres matriculadas em carreiras vinculadas a essa área ser muito menor do que o dos homens (15,08% versus 84,92%) e a desigualdade de gênero é cada vez maior. Portanto, consideramos que esse domínio da presença masculina decorre da falta de interesse das mulheres em entrar no mundo STEM.

No campo trabalhista atual, a sub-representação de identidades várias implica, além da desigualdade, uma oferta de emprego que excede a procura. Como a tecnologia é uma das principais indústrias que dão trabalho a milhões de pessoas no mundo todo, a geração de trabalho sem discriminação de gênero se torna uma necessidade. Se nós mulheres estudássemos esse tipo de carreiras de forma mais massiva, seria mais fácil cobrir o déficit e, nesse sentido, a linha de ação do Bootcamp CMTMx é promovida para motivar meninas e adolescentes a se envolverem em carreiras tecnológicas.

Como mencionamos no início, o projeto em sua fase inicial está focado nas mulheres com o objetivo de promover a igualdade de oportunidades e impulsionar às mulheres que querem brilhar; e, por sua vez, o fato de formar cidadãs críticas, com valores, responsáveis, que saibam tomar decisões e que queiram contribuir com a sociedade, vai adicionar vontades para apoiar os objetivos do nosso projeto.

Como vocês valorizam sua participação no programa FRIDA do LACNIC? Vocês acreditam que a partir do subsídio do FRIDA vão conseguir outros apoios para o projeto?

O FRIDA certamente nos deu uma grande oportunidade para incluir mais mulheres como nós na área. Até agora, recebemos todo o apoio e orientação de que precisamos para construir nosso projeto e fazê-lo o melhor possível. Vários parceiros se interessaram e acharam uma ideia brilhante; temos certeza de que isto é apenas o começo e pretendemos que seja um projeto sustentável para todos os países da região.

Concluímos com um sincero agradecimento para o LACNIC e, como mulheres profissionais e como parte da comunidade, estamos comprometidas em agregar valor à essência de sua missão na construção de capacidades na comunidade regional por meio de treinamento, cooperação e colaboração com outras entidades; promovendo a igualdade de oportunidades e incentivando os jovens – mulheres e homens – na formação de habilidades para o desenvolvimento da Internet e motivando o envolvimento da comunidade.